quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Mais de 60 escolas em São Paulo ainda estão ocupadas

Fonte da Foto: G1

Pelo menos 63 escolas continuam ocupadas no estado de São Paulo e 37 na capital, de acordo com o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp). Segundo a Secretaria da Educação do estado, são 62 escolas ocupadas, sendo 38 na capital.
A reportagem e de Flávia Albuquerque, publicada por Agência Brasil, 15-12-2015.
Em nota, a secretaria informou que todos os alunos da rede estadual têm suas matrículas garantidas para o ano letivo de 2016 e que o primeiro dia de aula, que ocorreria em 1º de fevereiro, será postergado para o dia 15 do mesmo mês, para possibilitar que as mudanças necessárias ao começo das aulas possam ser feitas sem prejuízo aos estudantes.
Entre as mudanças estão nova matrícula para os alunos das escolas que teriam impacto da reorganização. “Como todas as matrículas voltam ao estágio inicial, os estudantes continuarão na mesma escola, em processo que será feito automaticamente, sem a necessidade de solicitação por parte dos responsáveis. A consulta pela internet poderá ser feita a partir do dia 5 de janeiro, no portal da Secretaria da Educação”, diz a nota.
Foi determinado ainda novo período de transferência dos estudantes (de 5 a 11 de janeiro). Todos os alunos que já pediram transferência para outras unidades de ensino deverão refazer a solicitação em decorrência da nãoreorganização das escolas. Haverá alteração e adaptação de toda a logística envolvendo merenda escolar, transporte, mobiliário e kit de material escolar, além de alteração e adaptação da rede de suprimentos, por meio do qual as escolas podem adquirir insumos de limpeza, higiene e material de escritório.
Segundo a secretaria, o encerramento do ano letivo de 2015 é feito normalmente em 96% das escolas da rede estadual. Nos locais onde houve ocupações, um calendário complementar está sendo validado nas diretorias de Ensino, garantindo a todos os alunos os 200 dias letivos, o que poderá ocorrer entre os meses de dezembro deste ano e janeiro de 2016. O período de atribuição de aulas ocorrerá do dia 1º ao dia 5 de fevereiro.
Fonte: Unisinos

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Os mártires de Chimbote e o escândalo dos pobres. Entrevista com Gustavo Gutiérrez


O pai da teologia da libertação do Peru fala do Pe. Sandro Dordi e dos dois franciscanos poloneses que serão proclamados bem-aventurados no próximo sábado em Chimbote: "Mortos peloSendero Luminoso porque constituíam uma alternativa não violenta ao plano revolucionário. A denúncia da pobreza por amor 'complica' sempre a vida".
A reportagem é de Giorgio Licini, publicada no sítio Mondo e Missione, 02-12-2015. A tradução é de Moisés Sbardelotto.
No Peru, já estamos às vésperas da beatificação dos mártires de Chimbote, três missionários – o sacerdote fidei donum de Bérgamo, na ItáliaPe. Sandro Dordi, e os dois franciscanos poloneses,Pe. Miguel Tomaszek e Pe. Zbigniew Strzalkowski – mortos em 1991 pela guerrilha maoísta do Sendero Luminoso.
Eles vão se tornar bem-aventurados no sábado, com um rito que será realizado justamente em Chimbote, no estádio da cidade. O que significa essa beatificação para o Peru? E – mais em geral – o que ela diz sobre o tema dos pobres e da sede de justiça, ferida ainda aberta nas periferias do mundo de hoje?
Perguntamos isso ao Pe. Gustavo Gutiérrez – o teólogo peruano considerado o pai da teologia da libertação – que, no mesmo país dos mártires deChimbote, nasceu, desenvolveu o seu pensamento e ainda vive.
Eis a entrevista.
O que você pensa sobre a próxima beatificação dos três mártires de Chimbote?
São pessoas que eu encontrei e conheci apenas ocasionalmente. Mas eu diria que, para além da sua vida pessoal, podem ser feitas algumas considerações para toda a América Latina. Como é possível que em um continente de maioria cristã e católica tenha havido e ainda haja tantas pessoas que são mortas? É uma coisa que faz refletir. Esses religiosos são mártires porque foram mortos, como se diz, em odium fidei. Mas é preciso entender, mais precisamente, que isso aconteceu por causa da caridade, consequência da sua fé. Portanto, não foi uma questão de "doutrina" sobre a fé, mas de ação pela justiça. Eles também não desejavam ser mortos. O martírio traz o pecado à baila. Quando há uma pessoa morta, isso significa que há um assassino. E ninguém deseja que seja cometido um pecado desse tipo.
Quem são os pobres hoje? O que significa estar com os pobres?
Estar com os pobres significa ser cristão. A pobreza é a total falta de direitos de vários tipos: econômicos, culturais, raciais... A pobreza é a condenação desejada à marginalização e à irrelevância. É a substituição da justiça pela esmola. É o fatalismo de crer que a pobreza é inevitável e não um pecado do homem. A pobreza é complexa e tem muitas causas, mas não uma fatalidade. A denúncia da pobreza por amor "complica" a vida para outras pessoas. Daí o martírio. Ninguém está destinado a ser pobre. Não é a vontade de Deus.
O que você lembra do Bem-aventurado Dom Romero?
Eu o conheci em alguns encontros e depois fui ao funeral que foi uma autêntica tragédia, em um clima muito tenso, com mais de 40 mortos, boa parte deles pisoteados depois dos primeiros tiros. Falou-se de uma "conversão" de Romeroaos pobres e à justiça durante o seu breve episcopado de apenas três anos em San Salvador. Na realidade, Romero era de formação, digamos assim, tradicional, mas não um "conservador". Ele só quis denunciar as causas da pobreza e os casos de homicídio. Ele quis estar ao lado dos pobres. Não é preciso ignorar ninguém, mas a nossa primeira preocupação são os pobres. A justiça não é marginal ou alternativa ao amor. É a primeira expressão do amor. Não podemos separar as duas coisas.
O que você pensa do terrorismo político como o que se abateu no passado sobre o seu país com o Sendero Luminoso e outros movimentos?
É absolutamente criminoso. Durante os conflitos internos da América Latina, a maioria das vítimas foram causadas pelas forças armadas governamentais ou relacionadas com os grupos de poder. Mas também grupos terroristas insurgentes fizeram muitos mortos, como os mártires de Chimbote. Pessoalmente, eu condeno essas ações do modo mais absoluto. Muitas vezes, os mártires dos terroristas caíram pelo fato de que, com a sua atenção e amor às pessoas, constituíam uma alternativa não violenta ao plano revolucionário. Eram como que "concorrentes" no território. Estavam fora da disputa política.
Que relação há entre pobreza e morte?
O conflito interno no Peru provocou cerca de 70 mil mortes. Dois terços delas entre os grupos indígenas mais desfavorecidos. Mais uma vez, morreram os mais pobres. A pobreza é a principal causa de morte no mundo. Basta pensar nos 800 milhões de famintos que ainda temos. Trata-se de uma forma de violência institucional. É justo falar de "escândalo" também como categoria teológica. A desigualdade social é uma grande ferida. Uma grande pedra de tropeço para o anúncio do Evangelho e a realização das promessas.
Mas a religiosidade na América Latina se torna cada vez mais espiritualista e talvez até fundamentalista...
É verdade. De fato, cresce também o pentecostalismo católico. Eu digo que tudo pode ajudar, com uma única condição: que não se crie uma separação com a realidade. A categoria da realidade é a que deve nos guiar. O Papa Bento XVIfez uma afirmação muito importante para a assembleia dos bispos latino-americanos em Aparecida, Brasil, em 2007: "A santidade não consiste em fugir do conflito". Vivemos em um tempo que definimos de "pós" em todos os sentidos: pós-industrial, pós-moderno, pós-ideológico... Mas ainda estamos longe de uma situação de pós-pobreza. Essa é a realidade!

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Ocupações de escolas em SP já mudaram ensino, diz antropóloga



O governo do Estado de São Paulo pode até não voltar atrás na decisão de reestruturar o ensino, mas, na opinião da antropóloga Alba Zaluar, a ocupação de mais de 150 escolas pode modificar a estrutura da educação pública no país.

A reportagem é de Thiago Varella, publicada por Uol, 26-11-2015.

Zaluar, que já foi diretora de escola pública em um bairro do subúrbio do Rio de Janeiro, considera que a ocupação vai fazer o ensino avançar muito em todo o país.

"Eu acho a ocupação uma coisa linda, maravilhosa. Isso pode, enfim, modificar a divisão que há entre o que é instituição do Estado e o que faz parte do cotidiano das pessoas. A escola é a mistura dos dois", afirmou.

Até a noite da quarta-feira (25), estudantes ocupavam 151 escolas públicas em todo o Estado de São Paulo, em protesto contra o fechamento de colégios e o projeto de reorganização da rede de ensino.

Pobreza e aprendizagem

A antropóloga apresentou, na última segunda-feira (23), uma análise sobre as oportunidades de educacionais para pessoas de baixa renda durante a 3ª Reunião da Rede Nacional de Ciência para Educação (Rede Cpe), que foi organizada no Rio de Janeiro.

Na visão de Zaluar, que dedica sua carreira principalmente ao estudo da antropologia urbana e da antropologia da violência, não é porque um estudante é pobre que ele vai necessariamente ter mais dificuldade na escola. A antropóloga tenta desconstruir alguns conceitos bastante difundidos no meio acadêmico que consideram a pobreza como uma algo consensual e homogêneo e isso, segundo ela, não existe.

"Em qualquer classe social há diferentes maneiras de criar as crianças. Não há como generalizar isso. O autoritarismo, por exemplo, não conduz ao um bom desenvolvimento do cérebro. Mas isso não significa que os mais pobres tendem a ter uma forma de criação que é mais prejudicial ao desenvolvimento do cérebro. Autoritarismo ocorre em várias classes sociais e em vários lugares, como a escola, a vizinhança", afirmou.

Zaluar defende que a escola leve em consideração a bagagem cultural que as crianças trazem. Principalmente, as mais pobres, que têm muito a acrescentar em uma sala de aula.

"Os jovens de classes sociais mais baixas têm um sentido de concreto mais aguçado. Eles sabem mais das coisas práticas da vida e isso não é valorizado. É necessário ter uma integração maior entre escola e criança", disse.

Por isso, para Zaluar, ações que misturam a escola com a comunidade onde o colégio está inserido tendem a melhorar a qualidade do ensino e, claro, envolver toda a sociedade com a educação.

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

O dia em que cem policiais sitiaram uma escola ocupada em São Paulo


“Está tendo assalto a banco, é?”, indagou um homem que aguardava na calçada para atravessar a rua na esquina da rua Teodoro Sampaio com a Pedroso de Moraes, em Pinheiros, zona oeste de São Paulo. A pergunta não era descabida: nesta quarta-feira, o quarteirão da escola estadual Fernão Dias estava completamente cercado por mais de 100 policiais militares – e dezenas de viaturas, segundo dados da corporação. Uma das pistas da Pedroso, bem como as duas vias laterais da escola foram totalmente isoladas para o tráfego de veículos e pedestres.

Mas não se tratava de uma ação do crime organizado: desde terça-feira um grupo de alunos da Fernão Dias decidiu ocupar a escola para protestar contra a reforma educacional, que prevê o fechamento de 94 escolas além de remanejamento de milhares de alunos das unidades públicas, e está sendo implementada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB). Uma outra escola em Diadema também foi ocupada na terça. Os estudantes se recusaram a dizer o número de pessoas que participam da ação.

A reportagem é de Gil Alessi, publicada por El País, 11-11-2015.

Desde outubro, milhares de estudantes têm ido às ruas protestar contra a nova política para o ensino, que o Estado chama de “redesenho” da rede estadual, que abriga 3,75 milhões de alunos. A reforma será posta em prática a partir de 2016 e, por causa dela, além do encerramento de atividades letivas em 94 escolas, outras 754 terão ciclos encerrados, quer do ensino fundamental ou médio. A Fernão, um amplo prédio em área nobre da cidade, continuará aberta, mas os alunos do ensino fundamental irão para a escola Godofredo Furtado, no mesmo bairro. E as turmas do ensino médio da Godofredo vão para a Fernão. Desde o início do protesto na tarde de ontem, alguns jovens já deixaram o prédio — parte deles a pedido dos pais —, e um pequeno grupo conseguiu entrar. Nesta quarta-feira houve confusão quando a PM usou spray de pimenta para impedir que outros alunos entrassem na escola.

“Essa política de construir mais cadeias e fechar escola prejudica principalmente os mais pobres, não querem que tenhamos estudo”, afirmou a jovem M. N, aluna do último ano do ensino médio da Fernão. Ela é uma das dezenas de estudantes que passaram a madrugada dentro do prédio, e diz que a ocupação era uma questão de tempo. “Fui a quase todos os atos contra o redesenho. Dissemos que isso iria acontecer e não fomos levados a sério, não fomos ouvidos.”

A jovem diz que as decisões na ocupação são tomadas em assembleia, e que uma vaquinha entre os alunos foi feita para comprar comida e itens de higiene pessoal. Para dormir os estudantes se revezam em 15 colchonetes doados pelo secretário de Direitos Humanos da Prefeitura de São Paulo, Eduardo Suplicy, que esteve no local na noite de terça-feira. M diz contar com o apoio da mãe, que visitou a ocupação ontem. “Não estamos quebrando nada aqui dentro, as salas dos professores e da diretoria estão trancadas”, afirma. Apesar do cansaço de uma noite mal dormida e sob sítio da polícia, a estudante tinha um sorriso no rosto. “Todo mundo que está aqui dentro está feliz. Nossa luta é justa, nossa luta é bonita.”

Essa política de construir mais cadeias e fechar escola prejudica principalmente os mais pobres, não querem que tenhamos estudo”

Do lado de fora, sob o olhar atento de uma centena de PMs, um grupo de alunos gritava slogans contra o fechamento de escolas e em apoio à ocupação: “Pode chover, pode nevar, a minha escola não vai fechar!” Uma delegação do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto também esteve presente para apoiar o ato, bem como integrantes do Movimento Passe Livre.

Para a capitã Cibele, da assessoria de imprensa da PM, o contingente mobilizado é adequado para “garantir a integridade física dos alunos que estão lá dentro”. De acordo com ela, a orientação do contingente é impedir que outras pessoas entrem no prédio, e registrar o nome de quem sai para o caso de ter havido algum prejuízo material à escola.

Os argumentos dos estudantes e do Governo

Ariane Mikaeli, de 16 anos, é uma das alunas do Fernão que irá migrar para o outro colégio. “A ocupação não é só pela Fernão, é contra o plano geral do Governo”, afirma a jovem, que deixou o prédio hoje pela manhã. Ela diz que a tendência é que as salas de aula fiquem lotadas. A supervisora de ensino para a região centro-oeste, Maria Cecília Mello Santo, discorda, e afirma que tanto a Fernão quanto a Godofredo tem capacidade para absorver a mudança de turmas.

“A Godofredo, principalmente, está funcionando com capacidade ociosa”, afirma. Segundo ela, será respeitado o limite de alunos por classe, que é de 35 no ensino fundamental, e 40 no médio. O argumento da gestão Alckmin é que escolas que abrigam um único ciclo, fundamental ou médio, tem melhor rendimento. "A ideia pedagógica é correta. Se você aglutinar as pessoas por ciclos, os professores não precisam se deslocar, você não tem alunos com idades muito díspares juntos. Como ideia, é procedente. Mas isso não pode ser feito apressadamente sem planejamento", ponderou, no mês passado, Neide Noffs, diretora da Faculdade de Educação da PUC São Paulo. A supervisora Maria Cecília Mello Santo diz que e a diretora da escola disseram ter tentado sem sucesso negociar com os estudantes. “Eles dizem que lá não tem líder, aí fica difícil conversar”

Fonte: Instituto Humanitas Unisinos

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

"Pacto das Catacumbas" revive com o Papa Francisco, 50 anos depois


O "Pacto das Catacumbas", assinado por 42 bispos (que depois se tornaram 500), pouco antes do fim do Concílio Vaticano II, vem à tona. As renúncias aos luxos e aos privilégios, e o compromisso "com uma Igreja pobre e para os pobres" é realidade com o Papa Francisco. A celebração oficial dos seus 50 anos será na Pontifícia Universidade Urbaniana, com o teólogo Jon Sobrino, que verá o papa no dia anterior.

A reportagem é de Patrizia Caiffa, publicada pela agência SIR, 05-11-2015. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Há 50 anos, poucos dias antes do encerramento do Concílio Vaticano II, 42 bispos conciliares (que depois se tornaram 500), incluindo o brasileiro Dom Hélder Câmara e o italiano Luigi Bettazzi, assinaram o "Pacto das Catacumbas", nas catacumbas de Santa Domitila, em Roma, como compromisso pessoal para levar uma vida de pobreza, renunciando a luxos, símbolos de poder e privilégio, e para ser "uma Igreja serva e pobre", como desejava João XXIII.

Hoje, o "Pacto", esquecido nas décadas posteriores por razões políticas, veio à tona e se tornou vida vivida com o Papa Francisco e o programa do seu pontificado: "Por uma Igreja pobre e para os pobres". Tanto que, no próximo dia 14 de novembro, a Pontifícia Universidade Urbaniana organiza um importantes seminário oficial no 50º aniversário: entre os convidados especiais, o teólogo jesuíta Jon Sobrino (duas das suas obras em 2007 foram definidas como "erradas" pela Congregação para a Doutrina da Fé), que vai se encontrar com o Papa Francisco no dia anterior, 13 de novembro, durante a missa em Santa Marta, às 7h.

Bergoglio, que na época ainda não era bispo, respirou os ecos dessa iniciativa na América Latina, onde ainda estava viva em alguns componentes da Igreja. Entre os signatários posteriores do "Pacto", de fato, estavam o arcebispo de San Salvador, Óscar Romero, assassinado pelos militares e hoje bem-aventurado por vontade do Papa Francisco, e o bispo argentino Enrique Angelelli, que morreu em um acidente suspeito em 1974, que Bergoglio conhecia quando era superior dos jesuítas.

Renúncia "à aparência e à realidade da riqueza"

No dia 16 de novembro de 1965, os 42 bispos de 15 países de diferentes continentes, incluindo muitos latino-americanos, celebraram uma eucaristia, presidida pelo bispo belga Charles-Marie Himmer, nas catacumbas de Santa Domitila, que hospeda os túmulos de 100 mil cristãos dos primeiros séculos de vida da Igreja.

A assinatura do "Pacto" se inspirou no compromisso do grupo "Igreja dos Pobres", fundado pelo padre operário Paul Gauthier e pela religiosa carmelita Marie Therèse Lescase.

No texto, redigido pelo bispo Hélder Câmara, os bispos se comprometiam a "viver segundo o modo ordinário da nossa população, no que concerne à habitação, à alimentação, aos meios de locomoção e a tudo que daí se segue".

Uma renúncia, especificamente, "no traje (fazendas ricas, cores berrantes)", aos símbolos em ouro e prata, à propriedade "de bens imóveis, nem móveis, nem conta bancária".

Ao mesmo tempo, os bispos se recusavam a ser chamados "oralmente ou por escrito, com nomes e títulos que signifiquem a grandeza e o poder (Eminência, Excelência, Monsenhor...). Preferimos ser chamados com o nome evangélico de Padre".

Não aos privilégios e à administração direta das finanças. "No nosso comportamento – escreviam –, nas nossas relações sociais, evitaremos aquilo que pode parecer conferir privilégios, prioridades ou mesmo uma preferência qualquer aos ricos e aos poderosos (por exemplo, banquetes oferecidos ou aceitos, classes nos serviços religiosos)".

"Do mesmo modo – continuavam –, evitaremos incentivar ou lisonjear a vaidade de quem quer que seja, com vistas a recompensar ou a solicitar dádivas, ou por qualquer outra razão."
Todas as vezes que for possível, acrescentavam, "confiaremos a gestão financeira e material em nossa diocese a uma comissão de leigos competentes e cônscios do seu papel apostólico, em mira a sermos menos administradores do que pastores e apóstolos".

O compromisso com os pobres no "Pacto" se fundamentava principalmente nas exigências de justiça e de caridade, trabalhando para "transformar as obras de beneficência em obras sociais". Tudo isso pedindo que os responsáveis dos governos e dos serviços públicos implementassem "as leis, as estruturas e as instituições sociais necessárias à justiça, à igualdade e ao desenvolvimento harmônico e total do homem todo em todos os homens".

Dando-se conta da situação de pobreza extrema de dois terços da humanidade, os bispos signatários também se comprometiam a "participarmos, conforme nossos meios, dos investimentos urgentes dos episcopados das nações pobres", e a pedir às organizações internacionais, "testemunhando o Evangelho, como o fez o Papa Paulo VI na ONU, a adoção de estruturas econômicas e culturais que não mais fabriquem nações proletárias num mundo cada vez mais rico, mas sim permitam às massas pobres saírem de sua miséria".

Celebração dos 50 anos

Ao longo dos anos, o "Pacto" encontrou inúmeras oposições e foi vivido às escondidas. Mas, neste ano, por ocasião do 50º aniversário, alguns grupos (os Missionários do Verbo Divino, as Missionárias Servas do Espírito Santo, o grupo de Justiça e Paz JPIC dos religiosos e religiosas da União dos Superiores e Superioras Gerais (UISG/USG), os religiosos brasileiros em Roma, o Centro de Estudos sobre a Missão (Sedos), os pobres da Cáritas de Roma) e bispos (incluindo o cardeal Walter Kasper, presidente emérito do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos) já organizaram e presidiram celebrações especiais nas catacumbas.

O evento do dia 14 de novembro, na Aula Magna da Pontifícia Universidade Urbaniana, organizado pelo grupo JPIC da USG/UISG, pelos verbitas e pelo Sedos, sanciona a oficialidade da celebração.

O teólogo espanhol Jon Sobrino, naturalizado salvadorenho e que escapou de um atentado encomendado pelo governo em 1989, vai falar sobre o impacto do "Pacto das Catacumbas" na Igreja hoje.

Também falará o bispo emérito de Ivrea, Luigi Bettazzi, hoje com 92 anos, um dos poucos signatários ainda vivos junto com o bispo José Maria Pires, que, do Brasil, vai enviar uma mensagem de vídeo.

Sobre o congresso, Dom Bettazzi, em um editorial da revista Mosaico di Pace, espera que o papa "possa se não promovê-lo, certamente abençoá-lo".

Também confirmou presença o cardeal João Braz de Aviz, prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica.

Sobrino vai se encontrar com o papa em Santa Marta no dia anterior, enquanto, no domingo, 15 de novembro, depois da participação do grupo no Ângelus em São Pedro, ele presidirá a missa nas catacumbas de Santa Domitila, geridas pelos padres verbitas.

Entre os outros palestrantes no congresso: Alberto Melloni, da Universidade de Modena e Reggio Emilia, e o cardeal Roger Etchegaray.

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Professores iniciam construção de jogo sobre o Parque Indígena do Xingu e o seu entorno



Já pensou em aprender sobre preservação ambiental, geografia, história, economia e muito mais, jogando? Esse é um dos propósitos do Grupo Referência em Educação, coordenado pelo ISA e que engloba professores de escolas de cinco municípios das cabeceiras do Xingu, no Mato Grosso. Jogos educativos foi o tema do segundo encontro do grupo, nos dias 02 e 03 de outubro, que aconteceu na escola municipal Nova Era, em Canarana-MT. Participaram 36 professores de várias disciplinas.

A reportagem é de Rafael Govari, publicada por Sementes do Xingu, 14-10-2015.

O encontro contou com a participação de Nurit Bensusan, que trabalha como assessora de políticas públicas do ISA (Instituto Socioambiental) em Brasília-DF e possui uma oficina de criação de jogos com temas biológicos. Ela explica a importância dos jogos no ensino: “O jogo, principalmente para as crianças, é mais lúdico, mais interessante. É uma atividade muito bacana, para além do próprio conteúdo. A criança aprende a competir de uma forma mais razoável, ganhar sem tripudiar, perder sem se desesperar, que é um aprendizado importante para a vida. Então, o jogo junta o aprendizado do conteúdo com esse outro aprendizado, que é o da vida mesmo”, falou.

Nurit mostrou para os professores que é fácil criar jogos, com simplicidade e até na base do improviso: “Como a gente está fazendo ali, desenha com giz um tabuleiro no chão, você produz cartas, isso é bem interessante. Então, essa é a proposta, mostrar as possibilidades para essa equipe de professores”, colocou.

O Grupo Referência em Educação trabalha principalmente com temas socioambientais. A partir desse último encontro, iniciou-se a criação de um jogo que envolve informações do Parque Indígena do Xingu, com foco nos temas socioambientais, mas também englobando outros assuntos, como cultura, geografia e história dos municípios que ficam no entorno. “Usar algumas dessas dinâmicas de jogos que a gente viu aqui para ter ideias de como poderia ser um jogo… Pensamos em um tabuleiro onde os jogadores circulam pelos municípios do entorno e outra parte onde circulam pelo Parque”, falou Nurit. Em um novo encontro, provavelmente em março do ano que vem, o jogo deverá ser apresentado para o público e começará a ser utilizado nas escolas.

Conforme uma das coordenadoras do grupo, Cristina Velásquez, do ISA (Instituto Socioambiental), o trabalho nas escolas é fundamental para a missão do ISA, que na região tem como um dos focos a percepção das inter-relações que formam o território, dentre elas a percepção da água como um bem comum essencial às atividades econômicas, políticas e ambientais, que pode ser alcançado através do entendimento da sociobiodiversidade do território. “Esse grupo congrega professores que já desenvolvem iniciativas inovadoras há vários anos e tem o objetivo de se reunir e estudar temas com o objetivo de enxergar um território uno, que se compreendidos, permite ter uma forma de vida melhor”, falou.

Além do aprendizado na construção de jogos, durante o encontro foi anunciado o apoio financeiro a 14 projetos de escolas diferentes, que receberão auxílio para continuar a desenvolver inciativas que já são trabalhadas pelos professores. “É um complemento para que eles continuem tendo condições de realizar essas atividades. Nós temos projetos na área da comunicação, implantação de espaços de pesquisas fora de sala de aula como laboratórios agroflorestais, restauração de áreas degradadas…”, relatou Cristina. Em cada encontro, que é realizado em escolas diferentes, os professores aprendem sobre o projeto desenvolvido por aquela escola. O próximo encontro acontecerá no próximo dia 28 de novembro em outra escola de Canarana.

A escola Nova Era, por exemplo, desenvolve um projeto de agrofloresta. Quem comenta sobre o trabalho é a diretora Maria José dos Santos Cereta e a professora Lisonete Fernandes da Costa. A agrofloresta foi implantada em 2009 e com a criação do Grupo de Referência, um novo projeto foi criado para revitalizar o espaço. “Para ter mais utilidade para as crianças. Elas adoram brincar lá embaixo. Os professores as levam para poder trabalhar lá, que é fresquinho. Então resolvemos revitalizar, replantar, fazer emplacamento e construir uns bancos para aproveitar melhor o espaço. É o nosso pedacinho intocável”, disse. Lisonete explica como os professores trabalham com o espaço verde. “Quando você fica só em sala de aula, fica muito limitado… No Dia da Árvore o que a gente pode trabalhar como nosso cantinho verde? Por exemplo, pode fazer uma redação e porque não ir com as crianças vivenciar o momento? E ali fluem mais ideias para as crianças, fica mais real para elas desenvolverem essa atividade, além de ser mais prazeroso, com certeza”, falou a professora.

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Os Bárbaros

Os Bárbaros

Os bárbaros eram povos que não possuíam a cultura Greco-romana. Esses povos migraram em direção ao Ocidente, primeiramente no século III, se estabelecendo nas fronteiras do Império Romano do Ocidente. Muitos foram utilizados como soldados do exército romano. No século V, uma nova migratória, invadiu o Ocidente. Desta vez, os povos bárbaros fugiam dos hunos. Essa invasão acarretou na queda do Império Romano do Ocidente em 476 d.c.
            Dentre os povos bárbaros que penetraram no Ocidente, o mais importante foram os germanos, pois deram contribuições importantes para a formação da Europa Feudal.

Principais Grupos bárbaros:

a)Germanos: ostrogodos, visigodos, anglos-saxões, francos, lombardos, etc.
b) Eslavos: russo, poloneses, checos, croatas, ucranianos, etc.
c) Tártaro- Mongóis: hunos, turcos, etc.
Localização na Europa dos principais povos bárbaros
·  Francos : estabeleceram-se na região da atual França e fundaram o Reino Franco
·  Lombardos : invadiram a região norte da Península Itálica
·  Anglos e Saxões : penetraram e instalaram-se no território da atual Inglaterra
·  Burgúndios : estabeleceram-se na sudoeste da
França
·  Visigodos : instalaram-se na região da Gália, Itália e Península Ibérica.
·  Suevos : invadiram e habitaram a Península Ibérica
·  Vândalos : estabeleceram-se no norte da África e na Península Ibérica
·  Ostrogodos : invadiram a região da atual Itália.

Características Gerais dos Germanos:
Economia: Agrária
Política: Não conheciam a noção de Estado. Estavam organizados em tribos, e em período de guerras escolhiam um chefe militar.
O chefe militar e os seus guerreiros faziam um juramento de fidelidade, no qual os guerreiros prometiam obediência ao chefe militar.( Comitatus). Após as batalhas, as riquezas e terras dos conquistados eram divididas entre o chefe militar e os seus guerreiros. (Beneficium).
O comitatus e o beneficium, posteriormente contribuíram para a formação das relações de suserania e vassalagem, existente no feudalismo.
Religião: Os bárbaros eram politeístas, adoram os elementos da natureza. Adoravam o sol (deus feminino), e a Lua (deus masculino).
Direito: As leis não eram escritas, mas eram costumeiras, baseadas na tradição ( Direito Consuetudinário).
Império dos Francos

Localização: Gália ( França Atual)

Dinastias: Merovíngia (séculos V a VIII) e Carolíngia (séculos VIII e IX)

1.Merovíngia:
Clóvis: unificou as tribos dos francos, e converteu os francos ao cristianismo.
Os seus sucessores nomearam majordomus (Prefeito do Palácio) para governar o reino, e por isso, esse reis foram chamados de reis indolentes.

2. Império Carolíngio:
Carlos Martel (Majordomus): Venceu os árabes em 732, na Batalha de Poitiers confirmando o poder da Igreja na Europa Ocidental.

Pepino, o Breve: Lutou contra os bárbaros lombardos, na Península Ibérica, e ao vencê-los doou as terras para a Igreja ( Patrimônio de São Pedro), e por isso coroado como rei dos francos, iniciando desta maneira a dinastia carolíngia..

Carlos Magno:

( Coroamento de Carlos Magno)

1.Ampliou o território dos francos através de guerras de conquistas (Veja o mapa abaixo).
2. No natal do ano 800, Carlos Magno foi coroado pelo papa como rei dos Francos, confirmando o poder da dinastia carolíngia.

2. Aos nobres que participaram das guerras de conquistas, Carlos Magno doou terras (beneficium)
Durante o governo de Carlos Magno, muitas terras do império foram concedidas em beneficium a diversos nobres locais. Esses nobres tornavam-se, então, vassalos do rei, tendo para com ele dever de fidelidade. Por estarem na condição de vassalos diretos do rei, muitos desses nobres se recusavam a obedecer às instruções de autoridade administrativas. ( missi dominici). Essa atitude dos nobres foi um importante elemento para a formação da sociedade feudal, com fragmentação do poder nas mãos de diversos nobres senhores de terra, unidos apenas pelos laços de vassalagem.

4.Dividiu o Império: Condados ( condes) e em marcas (marqueses). Com o objetivo de fiscalizar a administração do reino, criou o cargo de “missi dominici”

5.Durante o reinado de Carlos Magno, os francos passaram por um período de esplendor cultural, que foi denominado de “Renascimento Carolíngio”. Foi criada as primeiras leis escritas da idade média; as capitulares; e a Escola Palatina, que tinha como objetivo instruir os filhos dos nobres.
Após a morte de Carlos Magno, o império foi governado por seu filho, Luís, o Piedoso. Após a morte de Luis, o Piedoso, seus filhos resolveram dividir o império pelo Tratado de Verdun. (veja o mapa abaixo):
Carlos, o Calvo ficou com a França Ocidental, Lotário com a Latoríngia (sul da Itália ao mar do Norte), e Luís, o Germânico, com a Germânia.

Nos século VIII, IX e X, uma nova invasão Bárbara ataca a Europa Ocidental; os árabes (sarracenos), os magiares, e os normandos (vickings), que através de ataques e saques provocaram muito pânico levando a uma migração para os campos; assim surgia na Europa, o feudalismo. O processo de feudalização da Europa teve inicio com a desagregação do Império Romano do Ocidente e se consolidou com as invasões bárbaras no século IX.